quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Não vale



      Cansada do sofrimento de sua última tentativa frustrada de relacionamento, ela curtia romances de todas as formas que não incluísse sua presença. Livros, filmes e novelas eram, diariamente, devorados de forma incansável na busca de um ‘felizes para sempre’. Colocava-se no lugar das personagens, sofria com eles. Chorava no final.
       Ela ainda se recuperava da morte de um antigo amor, que de tão ingrato só deixou como herança feridas vivas e saudades torturantes.  Para se camuflar e deixar de sentir por algum tempo, ainda que pouco, pegava livros na biblioteca. Gostava do cheiro.  Usava, assim, de todo o masoquismo pra trocar a dor que deveras sentia por outras, fictícias.
         O tempo passou. Trouxe a conformação. Trocou a burocracia dos romances pela simplicidade realista. Não queria mais saber dele, não morria se ouvisse seu nome. Nada que a incendiava outrora sobrou nem mesmo para alimentar seu vício de sonho.  Sentia-se uma idiota. Cansara-se de cutucar a mesma velha ferida. Era uma pena, mas não valia à pena. Não cabia no amarelo romance empoeirado com data prevista pra devolução.
           Bastava de amores mal vividos, de amantes mal amados, de palavras não ditas. Bastava. Sofrera o necessário para se refazer. Passou. As feridas fecharam, não sobrou uma cicatriz, sequer. E, se o acaso inconvenientemente pensasse em querer fazer recair, não perdia tempo, lembrava: Não vale a pena.

4 comentários:

  1. tá...eu me identifiquei com o texto acima. há um tempo atrás (parece tão distante hoje)...rs fui assim.

    ResponderExcluir
  2. LEGAL TEU BLOG... TO SEGUINDO... SIGA-NOS

    LUCRE COMISSÕES, DIVULGUE
    GRÁTIS SEU BLOG E PARTICIPE
    DE NOSSOS ENTRETENIMENTOS:

    www.psdesigner.com.br/entretenimentos

    OBRIGADO!
    Marcos Roberto

    ResponderExcluir
  3. È Camila... Penso que todos nós passamos por momentos assim, não somente em questões amorosas, mas na vida em sua totalidade, quando temos que encarar conflitos, frustrações, decepções...
    Entramos em um círculo vicioso de masoquismo. Eu, por exemplo, faço uso da música. É incrível, quanto mais deprimido por algo estou, mais ouço músicas deprimentes.ahah.
    E depois simplesmente passa. Talvez precisamos passar por isto, sentir tudo o que é de ruim para que não fique nenhum resquício do passado para seguir adiante em paz.

    http://escritoslisergicos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. oi! o blog http://genilais.blogspot.com.br/, que você acompanhava em 2010-2011, virou página! as atualizações estão no endereço https://www.facebook.com/dicionariopoetico/ :) espero poder te ver por lá também. abraço!

    ResponderExcluir